Artesanado de Palha de milho, da cidade de Redenção da Serra. Artesã Giselda. Fotografia de Reinaldo Meneguim

Category Archives: Vale do Ribeira

Romaria

Um traço que se destaca na cultura tradicional em São Paulo são as romarias: a pé, de bicicleta, a cavalo, de charrete, de motos, de carro, em ônibus fretados ou de carreira. Ocorrem durante todo o ano, apresentando, ciclicamente, grandes picos que chegam a demandar ações especiais dos Departamentos de Transito. Quando a pé os romeiros se auto intitulam caminheiros, e seguem sós, em duplas, ou em grupos. Dentre os que seguem sós alguns podem arrastar cruzes por uma distancia algumas vezes superior a 100…

Read More »

Procissão nas Águas

Afora os encontros dos Irmãos do Divino nas águas do Médio Tietê (região em que o rio volta de novo à vida), observamos outras devoções a se expressarem nas águas, estruturadas em grandes cortejos fluviais, lacustres e marítimos de embarcações variadas (barcos, bateras, ubás, botes, chatas, lanchas, balsas, bóias). Busca se com eles homenagear Bom Jesus, Nossa Senhora (dos Navegantes, do Livramento, do Rocio, do Patrocínio, Aparecida) e São Pedro. Ocorrência Região de Bauru: Botucatu (N. Sra. dos Navegantes).

Read More »

Tooro Nagashi e Bom Odori

Tooro Nagash, Bom Odori, Moti-Tsuki, Sendai Tanabata são alguns dos muitos festivais e rituais, de cunho religioso ou profanos, que pontuam várias regiões do Estado, congregando várias gerações de nipo-descendentes e envolvendo as comunidades circunstantes. Em muitos casos já apresentam tendências ao sincretismo. Ocorrência: Bauru, Cafelândia, Lins, Promissão.

Read More »

Reiada

Reiada é o nome que os paulistas no Litoral Sul e em parte do Vale do Ribeira dão aos folguedos do Ciclo de Natal. De conteúdo essencialmente religioso e acompanhado sempre por violas e rabecas, secundadas por violões, caixa, ferrinhos e, eventualmente, cavaquinhos, conservam uma feição, grosso modo, ibérica.  

Read More »

Zé Pereira

Zé-pereira é o conjunto percussivo, o 1º acompanhamento musical dos nossos cortejos carnavalescos em meados do século 19, na cidade do Rio de Janeiro. Em Iguape, com seus grandes bumbos, caixas, taróis e pratos, empurravam os blocos nas ruas. Continuam a despertar a todos com sua pancadaria, executam os toques tradicionais: requintado, jambo e nego da cartola, os mais lentos, e o zé-pereira o mais ligeiro e conhecido. Contam que, antigamente, alguns zé-pereiras tinham mais de um bumbo, e tão grandes, que deveriam ser carregados…

Read More »

Pesca Artesanal

Artesanal é a pesca que se realiza única e exclusivamente pelo trabalho manual do pescador – mesmo em todas as variantes de espera. Nela a participação do homem em todas as etapas e manipulação dos implementos e do produto é total, ou quase total, prescindindo-se de tração mecânica no lançamento, recolhimento e levantamento das redes ou demais implementos. Baseada em conhecimentos transmitidos ao pescador por seus ancestrais, pelos mais velhos da comunidade, ou que este tenha adquirido pela interação com os companheiros no ofício. É…

Read More »

Fandango de Tamanco

  Fandango, no Interior e Litoral Sul e Norte, continua a designar os bailes de sítio, as folganças com que se animam ocasiões especiais (casamentos e aniversários) uma verdadeira “suíte” de danças em que os sapateados e  palmeados se alternam com os valsados ou bailados e os enfiadinhos (por registrarem figurados grupais, bem como danças de sapateado forte (fandango de tamancos e fandango de chilenas). Basta começar um arrodeado com seus rufados (sapateios) e palmeados que não faltam dançadores na roda. Fandangueiros ou folgadores, como…

Read More »

Dança de Pares

São variadas as danças de pares, enlagados ou simplesmente de mãos dadas, em uso em todo o Interior Sul e Vale do Ribeira. Muitas delas guardam ainda nítidos traços de sua origem nobre: provenientes  da corte europeia, embalaram os salões da corte brasileira e continuam a animar os nossos bailes e festas populares. E assim com os tchotes (carreirinha, marcado, simples, inglês), com a mazurca (simples e de quatro), com as vaneirinhas, o caranguejo, a palminha e tantas outras. Ocorrência: Apiaí, Capão Bonito, Itapeva, Itararé,…

Read More »

Festa do Divino

A devoção ao Divino Espírito Santo constitui-se em um dos fortes núcleos das devoções populares em São Paulo. Herança do colonizador português se exterioriza de diversas formas, resultando sempre em grandes festas, sendo estas das mais cheias de pompa e espetacularidade desde os tempos do Brasil Colônia. Da celebração festiva já faziam parte os imperadores, mordomos, bandeireiros, império e levantamento do Mastro do Divino. Acreditamos, que as Festas do Divino sejam das mais difusas por todo o Estado, concentradas no tempo Pentecostal prescrito pela Igreja…

Read More »

Folia do Divino

São pequenos grupos de até 5 pessoas, os Foliões do Divino, que, com suas jornadas, durante meses participam da preparação das Festas do Divino. Eles visitam as casas das zonas rural e urbana, cantando os feitos e os poderes do Divino Espirito Santo, recolhendo donativos, sempre abundantes, para sua celebração. Percorrendo assim as comunidades de canto a canto e anunciando a festa, avivam a fé no Divino. Ocorrência: Anhembi, Caconde, Cananeia, Cunha, Iguape, Itanhaém, Itu, Itapeva, Lagoinha, Laranjal Paulista, Mogi das Cruzes, Natividade da Serra,…

Read More »

UA-61231390-1