Revelando São Paulo – Cultura de Paz – O que é? – Guardiões da Bandeira

A Bandeira da Paz permanentemente desfraldada no Parque da Água Branca, foi a primeira plantada no Brasil, passando a ser o epicentro do movimento da Bandeira da Paz, visando envolver o maior número possível de segmentos da sociedade, com a cumplicidade de artistas, representantes de segmentos da sociedade organizada, os cidadãos comuns e setores públicos em um grande caudal, buscando-se otimizar as ações isoladas .

Para ser plantada é preciso que no local pretendido haja um núcleo de sustentação integrado por pessoas de qualquer faixa etária ( Que passarão a ser chamados de guardiões), que deverão diuturnamente estar mobilizados, articulados, através do estudo e da promoção de atividades que ajudem, na sua continuidade programática, a construir a paz.

  • A bandeira do Parque da Água Branca tem como guardiões:
  • Abaçaí Cultura e Arte  Juruá ( Um programa de Ação Cultural)
  • Associação Palas Athena  Programa A Paz pede parceiros
  • Budismo Tibetano
  • Casa de Toya Jarina
  • Comitê Paulista para a Década de Cultura de Paz- Um programa da UNESCO
  • Colégio Tradição de Magia Divina
  • Colégio Magno de Umbanda.
  • Comunidade Bahai
  • Comunidade filhos do Cacique
  • Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo/Comissão Afro
  • Entidade Espiritualista Unisóis
  • Fundação Cultural Cassiano Ricardo
  • Igreja Presbiteriana Independente
  • Informativo Tambor
  • Instituto Nokhooja
  • Intecab  Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira
  • Legião da Boa Vontade
  • Missionários Xaverianos
  • Mosteiro de São Bento de São Paulo
  • Ordem Sufi Halveti Al Jerrahi (Islâmicos)
  • Organização Brahma Kumaris
  • Souesp  Superior Órgão de Umbanda do Estado de São Paulo
  • Ramakrishna Vedanta
  • Revista Diálogo / Paulinas
  • Revista Sem Fronteiras
  • União de Tendas de Umbanda e Candomblé do Brasil
  • URI  Iniciativa das Religiões Unidas
  • Zen Budismo

A partir da ação inicial no Parque da Água Branca, outras estão, e estarão sempre, desdobrando- se / multiplicando-se em rede, inicialmente na Cidade de São Paulo, dando origem a outros núcleos difusores com outros guardiões.

A Bandeira da Paz, por seu ineditismo não possui cerimonial consagrado. Por isso, à medida que avançamos, temos, com várias contribuições, buscando estabelecer alguns princípios, sempre referendados pelo Comitê Paulista para a Década de cultura de Paz. Para o seu hasteamento em espaços públicos e em caráter oficial temos levado em consideração os seguintes princípios:

Colocando-se de frente para o conjunto de mastros, o central é sempre o principal e destinado à Bandeira Nacional. A sua direita estará a segunda em importância, seguindo-se à direita desta o espaço reservado para a Bandeira da Paz.

Hasteamento Temos priorizado o conceito de plantio a hasteamento, para a ação inicial, indicando, assim, que, tal qual com os organismos vivos, os guardiões assinam um compromisso de zelo permanente.

Permanentemente desfraldada – ela, depois da cerimônia de plantio, só deverá ser descida para substituição quando o tecido degenerar.

Para o seu plantio em outros espaços os guardiães deverão definir as bases em conformidade com os anseios de organização e difusão de um ideário de paz.

O Movimento segue orientação do Comitê Paulista para a Década de Cultura de Paz- Um programa da UNESCO de 2000.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support