Revelando São Paulo – Cultura de Paz – Educação pela Paz – Rápido diagnóstico do mundo contemporâneo

Somos viventes e emergentes de um século marcado pela violência e por uma cultura da violência. As construções políticas e geopolíticas, comerciais e culturais do século XX, ao lado de muitas conquistas no campo da cidadania e do desenvolvimento tecnológico, passaram por processos bastante violentos. Se fizermos um breve retrospecto veremos um mundo palco de crimes sociais hediondos: a guerra de 1914-8 com seus milhões de mortos e utilização de gases venenosos; a guerra civil espanhola, em que o fascismo eliminou resistentes e população civil; a segunda guerra mundial com seus cinqüenta milhões de mortos e seus tristes campos de Dachau, Auschwitz, Treblinka; Hiroshima e Nagasaki, vingança exemplar da maior potência da história, com seus 200 mil mortos; a guerra do Vietnã, Laos, Cambodja, com cerca de 1 milhão de mortos; o resultado soturno das ditaduras do socialismo real e das genocidas ditaduras latino-americanas; segue-se o genocídio de Sabra e Chatila, a guerra do Iraque, Kosovo, e o massacre recente promovido pelo exército israelense nos campos de Jenin. Sem falar das guerras emancipatórias: revoluções russa, cubana, chinesa e contra o colonialismo na África e na Índia. Depois que quase tudo isso cessou, após 1945, ainda tivemos 150 guerras com 20 milhões de mortos.

O século XX foi, sem dúvida, um século de mortes. Com o final da guerra fria entramos num mundo tenso, complexo e inseguro marcado pela acumulação de armas químicas, biológicas, bacteriológicas, com a presença de estados terroristas modernos e tradicionais e a proliferação de grupos terroristas estatais e paramilitares.

Jamais poderemos esquecer que vivemos no cenário de uma guerra social sem precedentes na história da humanidade. A cúpula social de Copenhague traçou, em 1985, um quadro alarmante: “Mais de 1 bilhão de seres humanos vivem numa pobreza abjeta, passando a maior parte deles fome todos os dias. E mais de 120 milhões no desemprego e muito mais no subemprego”. A crise social expande-se pelo desenraizamento e despertencimento, fruto da imposição de modos de vida pela modernidade, materializados em sociedades que perderam, em grande parte, a moralidade, os valores éticos e espirituais. Hoje é possível diagnosticar uma fratura societária marcada pela exclusão social e cultural, a violência cotidiana e a degradação ambiental, que traz como resultado um estilo de vida individualista e consumista e a perda dos laços de solidariedade entre as pessoas e no interior das comunidades.

O Brasil, com seus indicadores de desenvolvimento humano já conhecidos, a fome de um quinto da população e 40 mil homicídios anuais, é mais do que um reflexo da cultura da violência no mundo contemporâneo.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support