Artesanado de Palha de milho, da cidade de Redenção da Serra. Artesã Giselda. Fotografia de Reinaldo Meneguim

Category Archives: Cone Leste Paulista

Chiba

Versão do fandango no Litoral Norte, compreendendo as modas próprias para os bate-pés, palmeados e os grandes figurados, com acompanha mento de violas. Participam pares e as mulheres só executam os bailados, não os sapateados. Com origem no litoral norte do estado de São Paulo, a dança Xiba se assemelha a uma dança de quadrilha, de modo que os participantes se organizam em uma formação circular. Também chamada de “dança de roça ao ar livre”, seu ritmo é ao som de violas, violão, pratos, pandeiros, cavaquinhos e até sapateados. Xiba…

Read More »

Marimba

Muito comuns nas culturas bantu da África negra, as marimbas transmigraram na bagagem do negro escravizado e se popularizaram no Brasil. Correspondentes nos círculos eruditos aos xilofones, são instrumentos percussivos melódicos constituídos de uma série de lâminas de determinados tipos de madeira, em números variáveis, afixados em pequenas traves ou arcos, tendo por ressoadores, pequenos coites (cabaças), cortados pela metade e afixados por baixo de cada lâmina. Serviam, então, ao lado de outros instrumentos também chegados nas bagagens dos negros escravizados, de base rítmica, com…

Read More »

Pastorinhas

Grupo de meninas trajadas à moda de pastoras idealizadas, que vão de casa em casa fazendo a adoração dos presépios, recebidas pela comunidade com doces e bebidas. Acompanhadas por conjunto de sopros, fazem suas loas com cantorias e bailados simples. Afora sua presença durante o Ciclo Natalino, visitando casas e presépios na comunidade, as Pastorinhas em São Luís do Paraitinga, inserem-se também nas comemorações da Festa do Divino. Durante toda sua vida, D. Didi (…) alimentou esta tradição na qualidade de ensaiadora e animadora. Foto:…

Read More »

Ciranda

Dança litorânea com marcas, figurados e passadinhos, em pares, acompanhada sempre por violas. Pode ser executada de forma autônoma ou integrando o conjunto de bailados do Chiba/Fandango. Genericamente, significa qualquer baile a viola na cidade ou na roça. No entanto, em sentido específico é uma dança de adulto, citadina, composta de cantode roda, marcado pelos versos de um mestre, ao velho estilo das quadrilhas (tanto em Paraty como em Portugal). As ordens podem ser dadas em português – “vamos dar a meia-volta; cavalheiro, adiante, trocar…

Read More »

Romaria

Um traço que se destaca na cultura tradicional em São Paulo são as romarias: a pé, de bicicleta, a cavalo, de charrete, de motos, de carro, em ônibus fretados ou de carreira. Ocorrem durante todo o ano, apresentando, ciclicamente, grandes picos que chegam a demandar ações especiais dos Departamentos de Transito. Quando a pé os romeiros se auto intitulam caminheiros, e seguem sós, em duplas, ou em grupos. Dentre os que seguem sós alguns podem arrastar cruzes por uma distancia algumas vezes superior a 100…

Read More »

Jongo

Jongo é dança de origem banto, do mesmo tronco do batuque, ambos, ancestrais do samba e do pagode, que resiste em alguns pontos do Vale do Paraíba. Em Taubaté, São Luis do Paraitinga, Pindamonhangaba e Cunha, encontram-se os últimos redutos de jongueiros do Vale Paulista e que se acham, no momento, em fase de revivescência. Estruturado em roda, em torno de uma fogueira que ajuda a manter a afinação dos tambores, realizam-se hoje em praças públicas, da mesma forma que, outrora, ocorriam nos terreiros. Com…

Read More »

Figureiros

Figureiros se auto intitulam os artistas populares do Vale do Paraíba que recriam com barro (cru) figuras e cenas do seu dia-a-dia, ou do seu imaginário. Arte resultante não de aprendizado sistemático ou ensinamentos especiais, mas de uma tradição, da curiosidade ou das experiências pessoais do próprio artista. Arte A criatividade popular A arte e a criatividade popular, da ordem do frui, se fazem presentes nas situações mais prosaicas bem como em momentos especiais da vida das comunidades, e se entrelaçam de tal forma nas…

Read More »

Procissão nas Águas

Afora os encontros dos Irmãos do Divino nas águas do Médio Tietê (região em que o rio volta de novo à vida), observamos outras devoções a se expressarem nas águas, estruturadas em grandes cortejos fluviais, lacustres e marítimos de embarcações variadas (barcos, bateras, ubás, botes, chatas, lanchas, balsas, bóias). Busca se com eles homenagear Bom Jesus, Nossa Senhora (dos Navegantes, do Livramento, do Rocio, do Patrocínio, Aparecida) e São Pedro. Em Iporanga, no Alto Ribeira, no último dia do ano a população homenageia Nossa Senhora…

Read More »

Caiapó

Bugrada, Caiapós ou Caiapô são denominações com que aparecem entre nós, folguedos com temática indianista, calcada, sobretudo, na visão de um “índio idealizado”. Atuam durante o ano todo nos diversos ciclos culturais, em especial no carnaval, e em festas dos santos padroeiros e de devoção popular, seguindo em cortejo pelas ruas das cidades, com paradas para dramatizações esquemáticas. Ocorrência: Ilhabela, Joanópolis, Mairiporã, Piracaia, São Jose do Rio Pardo, São Sebastião. Caiapó, Caiapô, Indiada, bugradas e caboclinhos são algumas das denominações com que aparecem, em todo…

Read More »

UA-61231390-1